Trabalhadores da Renault seguem em greve no Paraná

0

Reunidos em assembleia convocada pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) no começo da tarde de segunda-feira, 27, os trabalhadores da fábrica da Renault em São José dos Pinhais (PR) decidiram pela continuação da greve na unidade que já dura uma semana, deflagrada na terça-feira, 21, após a empresa anunciar o fechamento do terceiro turno e a demissão de 747 empregados, alegando que precisa reduzir o quadro de funcionários da unidade diante da drástica redução da produção e da demanda desde a instalação da pandemia de coronavírus no País.

O sindicato defende a continuação da greve até que a Renault revogue as demissões e volte a negociar um acordo coletivo, que foi apresentado pela empresa na semana anterior ao anúncio dos cortes, incluindo a proposta de adoção de um programa de demissões voluntárias (PDV), mas rejeitado pelos funcionários. “Enquanto a empresa não rever as 747 demissões não teremos condições de avançar na pauta proposta para [aumentar]a competividade da planta. Queremos diálogo com a manutenção dos empregos, sem a imposição de cortes. Os outros pontos podemos negociar”¸ afirmou Sergio Butka, presidente do SMC.

“Existem os instrumentos da Lei 14.020 que podemos usar para manter os empregados”, acrescentou o sindicalista, em alusão às medidas de flexibilização baixadas pelo governo desde o início da pandemia, em abril, como redução de jornada e salários ou afastamento temporário (layoff), com parte dos salários pagos com fundos do seguro desemprego.

Ficou acertado que os empregados vão se manter mobilizados na rotatória próxima à entrada principal do Complexo Ayrton Senna, com a realização todos os dias às 14h de assembleias explicativas ou deliberativas, caso a empresa apresente uma nova proposta a ser discutida. Enquanto não houver avanço nas negociações a greve continuará por tempo indeterminado, informou o sindicato.

Butka também segue buscando apoio de políticos no Estado para que seja aplicada a Lei Estadual 15.426, aprovada em 2007 e de autoria do atual governador Carlos Roberto Massa Júnior, o Ratinho Jr., que proíbe a dispensa de trabalhadores por empresas que se beneficiam de incentivos fiscais do Paraná. O presidente do SMC teve reunião com o governador para pedir seu apoio, mas não informou se foi bem-sucedido.

“Não é só o sindicato, outras entidades também estão cobrando a aplicação da legislação. Existem mais de 50 empresas que recebem esse incentivo (diferimento de ICMS), são mais de R$12 bilhões por ano e isso faz diferença. O governo e a população estão ajudando essa empresa a se fortalecer no Estado. E nós queremos como contrapartida a manutenção dos empregos na Renault”, afirmou Butka.

A Renault nega que esteja descumprindo a legislação estadual, alega que existe na própria lei uma cláusula que autoriza as demissões feitas agora por “motivação financeira obstativa da continuidade da atividade econômica, o que se aplica ao momento em função da pandemia de Covid-19”, informou a montadora em nota na semana passada.

#jornalrmsp #brasil #renault #demissoes #greveparana #coronavirus #covid-19

Compartilhar:

Sobre o autor

Deixe um comentário